Cidadão Repórter

(47)997532591
Mafra(SC), Domingo, 19 de Setembro de 2021 - 07:38
02/09/2021 as 18:59 | Por Sinval Campelo | 532
O flerte de políticos de SC com o Nazismo
Investigação requerida pelo MPSC localiza fábrica e depósito de artefatos nazistas em Timbó
Fotografo: divulgação
Estamos regredindo?? sbcsul.2.9.21

È ou não é... o ano é 2005, governo Lula e as manchetes dos jornais de todo país, em especial em Santa Catarina, estampavam manchetes com uma fotomontagem do presidente do PFL, senador Jorge Bornhausen (SC), vestindo um uniforme de nazista. Em entrevista ao jornal O Globo na tarde na epoca, o sindicalista Avel Alencar, ligado ao PT, disse que pagou os serviços de gráfica com um cheque de sua própria conta, no valor de R$ 1.060,00 e não se arrependia, por entender que o senador catarina representava o regime autoritário e opressor da Alemanha nazista no Senado. Nos cartazes, o senador aparece com a suástica (símbolo do nazismo) no braço, carregando na mão uma revista Veja cuja manchete é “Juntos contra o PT”. Além disso, os pôsteres trazem, ao lado da figura do senador, a frase “Vamos acabar com ‘este’ raça. Preto, pobre e operário nunca mais!”. O cartaz imita um quadro antigo e traz sob a pintura a frase “Herr Bornhausen”, que significa senhor Bornhausen em alemão. É claro que o senador Bornhausen processou o sindicalista por tentativa de denegrir sua imagem e Avel Alencar buscou processar o senador catarinense por crime de racismo. Nessa peleia judicial quem ganhou foi o senador! Mais tarde, passados 11 anos, Paulinho Bornhausen filho do senador acusado de flertar com o regime nazista vem à Mafra, em 2016 e em entrevista ao SBCSul diz que –ainda iria ver Lula preso-, e que odiava o PT pelo que haviam feio a seu pai, se referindo a alusão ao nazismo. A prisão de Lula realmente ocorreu em 2018, para a satisfação da família Bornhausen.

 

E de novo, em 2020, o cenário político de Santa Catarina e o flerte com o nazismo vêm átona, com notícias publicadas pelos principais jornais do país citando que o pai da vice-governadora de Santa Catarina, Daniela Cristina Reinehr (sem partido, mas se dizendo de extrema-direita). Ela, por sua vez, diz que suas idéias não são as mesmas de seu pai, o  qual chegou a por em dúvida o holocausto do povo judeu praticado por Hitler durante as aulas de história que ministrava a seus alunos nas escolas de Santa Catarina.

 

Mais recentemente, na data desta quinta-feira, 2/9/2021, a Polícia Civil de Santa Catarina, cumprindo mandado de busca e apreensão em investigação requisitada pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), em dois contêineres utilizados para armazenagem e fabricação de artefatos alusivos ao nazismo.  

A investigação foi requisitada pela 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Timbó no dia 15 de julho deste ano, a fim de descobrir o responsável por um site local que anunciava os artigos ilegais. Fabricar, comercializar, distribuir ou veicular símbolos, emblemas, ornamentos, distintivos ou propaganda que utilizem a cruz suástica ou gamada, para fins de divulgação do nazismo é crime com pena de reclusão de dois a cinco anos e multa. 

A busca e apreensão foi pedida à Justiça pela Polícia Civil, com manifestação favorável do Promotor de Justiça Alexandre Daura Serratine. O mandado foi cumprido na residência do principal suspeito identificado pela investigação, que atualmente está em viagem à Europa e que se autointitula apoiador de lideranças políticas de extrema-direita no país.  

Ao cumprir o mandado, Polícia Civil apreendeu vários objetos referentes ao nazismo, inclusive um quadro em que Adolf Hitler aparece como figura central. Também foram encontrados moldes para fabricação de objetos ilícitos, como a águia sobre a cruz suástica e o busto de Adolf Hitler, em tamanho médio. A polícia também encontrou uma série de objetos para fabricação de munição para armas de fogo. 

Após concluir a investigação, a Polícia Civil encaminhará o inquérito ao Ministério Público, que tomará as medidas judiciais cabíveis. Além da 2ª Promotoria de Justiça, o MPSC também acompanha o caso por meio do Núcleo de Enfrentamento aos Crimes de Racismo e de Intolerância.




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil