Mafra(SC), Quinta-Feira, 30 de Junho de 2022 - 05:04
18/06/2022 as 22:54 | Por Sinval Campelo |
Na fatia do bolo do fundão eleitoral, quanto cada sigla vai ter...
Com exceção do Partido Novo, demais decidem neste mês como será a divisão da "fatia do bolo" entre os candidatos
Fotografo: divulgação
Siglas dividem fundão--sbcsul.18.6.22

É ou não é....Candidatos ou pré-candidatos à deputado estadual ou federal, com exceção do Partido Novo, estão na expectativa do anúncio por parte de suas siglas partidárias de como vai se dar a divisão dos R$ 4,9 bilhões disponíveis para campanha por meio do fundo eleitoral. O recurso será distribuído neste mês de junho para os partidos e posteriormente para os candidatos. O dinheiro do fundo eleitoral é repartido entre as legendas com base nos votos recebidos nas eleições gerais mais recentes e o tamanho das bancadas na Câmara e no Senado. Cabe a cada legenda decidir como o dinheiro deve ser distribuído. O Novo rejeitou o recurso e não quis participar da "folia do fundão eleitoral) e devolveu aos cofres públicos R$ 87,7 milhões.

Ninguém na verdade sabe como os partidos fazem essa divisão do bolo partidário, sabemos apenas que cabe a direção de cada partido em nível nacional e estadual decidir como repartir cada pedaço desse bolo, mas sabemos que os candidatos com mais envergadura política, os tradicionais, têm mais chances de captar maiores recursos para suas campanhas.  

Quanto cabe a cada partido, por ordem decrescente :

O União Brasil (do candidato ao governo de SC, Gean Loureiro) que nasceu da fusão entre o Democratas e o Partido Social Liberal (PSL), chegou a 81 deputados e sete senadores a partir do agrupamento e lidera a lista de recursos, com mais de R$ 770 milhões disponíveis. É 15,73% do total.

O PT (do ex-presidente Lula) vai receber R$ 484,61 milhões;

MDB (da senadora Simone Tebet) R$ 356,72 milhões;

PP (do senador de SC Esperidião Amin) R$ 338,59 milhões;

PSD (do pré-candidato ao senado de SC Raimundo Colombo e do ex-prefeito de Wellington Bielecki) R$ 334,18 milhões;

PSDB (do governador de SP, João Dória) R$ 314,09 milhões;

PL (Partido do Presidente Bolsonaro e senador Jorginho Mello) R$ 283,22 milhões;

PSB (do candidato a vice na chapa de Lula, Geraldo Alkimin) R$ 263,62 milhões;

PDT (do presidenciável Ciro Gomes) R$ 248,43 milhões. Além desses, mais 11 partidos serão beneficiados.

 

O Fundo Eleitoral foi criado pelo Congresso Nacional para o financiamento de campanhas eleitorais de forma a permitir que candidatos que ganham pouco pudessem ser competitivos, embora sabemos que estamos no país de quem pode mais - chora mais e consequentemente ganha mais...

 




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil