Fale Conosco
(47)997532591

Mafra(SC), Sexta-Feira, 23 de Fevereiro de 2024 - 01:15
Moeda
Dólar - BRL 4.9649
Libra - BRL 6.2933
Euro - BRL 5.3821
Bitcoin - BRL 209250,95

02/02/2024 as 22:05:01 | por Redação |

Entenda os motivos que unem PL e PT nas eleições municipais de 2024

Solução de problemas locais tende a prevalecer sobre política nacional em 2024-aponta cientista político

Fotografo: divulgação
...
Quem diria...sbcsul.2.2.24

O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, escreveu em uma rede social que quer vetar qualquer aliança entre seu partido e o PT para as eleições de 2024. "Não existe nenhuma hipótese de coligação com o PT. Somos oposição e assim seguiremos", escreveu.

 

Mas a realidade paralela a essa intenção de Costa Neto tá sendo bem diferente, em especial em municípios do nordeste e alianças entre direita e esquerda são negociadas nos Estados do CE, MA, BA e também no RJ.

 

De acordo com apuração do jornal O Globo, o governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PL), estaria se aproximando prefeito da capital, Eduardo Paes (PSD). O objetivo seria negociar as candidaturas de Rodrigo Neves (PDT) em Niterói e de Washington Quaquá (PT) em Maricá, em troca de apoio ao governador na Baixada Fluminense.

 

No Ceará, o deputado federal Júnior Mano (PL-CE), um dos oito deputados da legenda de Costa Neto punidos por votar a favor da medida provisória da reestruturação ministerial (pró-governo), discute uma aliança com Júlio César Filho, pré-candidato à prefeitura de Maracanaú, do PT.

 

Já no Maranhão, o deputado João Maranhãozinho (PL-MA) também negocia uma aliança com o colega Duarte Jr. (PSB-MA), pré-candidato à prefeitura de São Luís.

 

Na Bahia, o deputado estadual Raimundinho da JR (PL) busca o apoio do governador Jerônimo Rodrigues (PT) para sair como candidato à prefeitura de Dias D’Ávila.

 

Solução de problemas locais tende a prevalecer sobre política nacional em 2024

“De modo geral, as eleições municipais possuem uma dinâmica diferente das eleições gerais, porque os eleitores costumam votar mais em candidatos locais, em chefes políticos locais, pessoas que possuem identificação muito próxima com o cidadão", disse o cientista político Elton Gomes.

 

“Os candidatos locais estão mais afeitos às questões que atingem diretamente a vida dos cidadãos, como saúde, educação, transporte e segurança num nível muito básico, iluminação pública, limpeza urbana, saneamento, conservação do patrimônio público e coisas dessa ordem - bem mais simples do que questões nacionais”, explica o professor.

 

Para o cientista político Antonio Henrique Lucena, professor na Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), as eleições municipais possuem uma dinâmica própria de funcionamento, o que permite alianças estranhas ao cenário nacional.

 

“O que mais pesa é obviamente a dinâmica local: ela envolve os caciques da região e a viabilização dos recursos financeiros. E lembro que no Brasil os partidos têm baixa consistência programática. Então, dependendo das alianças, é muito comum um troca-troca de partido, entrada em um, saída, entrada em outro”, disse o professor.

 

Porém, ele também disse que essa forma de fazer política é feita desde o período imperial. O Partido Conservador era mais ligado ao setor agropecuário e o Partido Liberal tinha como base os funcionários públicos. Mas, já na época imperial, havia pouca diferenciação entre eles e os políticos trocavam de partidos frequentemente.

 

O cientista político Adriano Cirqueira, docente no Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec), explica que tamanho dos municípios também influencia na forma como os partidos se coligam e como as alianças políticas são construídas.

 

“Só nos municípios com um eleitorado maior, acima de 200 mil, é que o segundo turno também acontece. Nesse contexto, geralmente, nas eleições municipais de um turno só, há uma tendência de partidos adversários se coligarem, visando ganhar o pleito. O quadro de fragmentação de candidaturas, que é comum a gente assistir em eleições, dificilmente vai ter mais de três candidatos. Isso força uma aliança de partidos que no plano estadual ou mesmo federal tendem a ser adversários.”

 

Ele acrescentou: “O principal reflexo das eleições municipais para a eleição presidencial é a possibilidade de a candidatura à presidência ter um apoio, uma base eleitoral nos municípios dos quais ele atuou favoravelmente. Com isso, vamos assistir o PL e o PT, que são os principais disputantes da eleição nacional, fazerem uma peregrinação para criar boas condições para ampliar o quadro de prefeitos e vereadores".

 

Eleições passadas já uniram partidos que se antagonizavam, como PT e PSDB

A dificuldade de manter a fidelidade ideológica e partidária nos pleitos municipais sempre foi um desafio para os partidos no Brasil. A tentação de se aliar ao “inimigo”, visando aumentar o capital político, já realizou uniões pouco prováveis em eleições anteriores, como PT e PSDB.

 

Em 2020, por exemplo, PSDB, PT, DEM E PSOL se uniram em torno da candidatura de José Sarto (PDT), atual prefeito de Fortaleza, para derrotar o deputado federal Capitão Wagner (Pros), aliado de Bolsonaro. O parlamentar foi o principal nome de oposição a Ciro e Cid Gomes em Fortaleza, grupo que apadrinha a candidatura de Sarto.

 

Assim, a dobradinha entre petistas e tucanos também foi vista em 2016, ano do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Em Adolfo, cidade de cerca de 3.000 habitantes da região metropolitana de São José do Rio Preto, no noroeste de São Paulo, PT e PSDB se uniram em coligação para tentar eleger 19 candidatos à Câmara Municipal.

 

Tempo de propaganda na TV também já determinou alianças improváveis em eleições

O pleito de 2008 foi marcado por grandes acordos entre os principais partidos. Segundo um levantamento feito pelo site G1, na época, alianças entre PT, PSDB e DEM ajudaram a eleger 255 prefeitos. Só entre tucanos e petistas foram 134 acordos. Já entre PT e o DEM, foram 121. As três siglas também aparecem juntas em 139 coligações.

 

Além disso, na época, o então prefeito de Nova Iguaçu (RJ), Lindberg Farias (PT), confirmou que a legenda possuía uma relação mais estreita com o PSDB local.

 

Do lado tucano, Marcos Brambilla, eleito em Pirapozinho (SP), disse que, “se tirar a sigla”, PSDB e PT “são dois grupos políticos que se fundem em objetivos comuns”.

 

Já em 2012, a união entre PP e PT reuniu velhos adversários no mesmo guarda-chuva. Assim, Lula e o então deputado federal Paulo Maluf (SP) decidiram que as legendas caminhariam juntas em São Paulo após anos de embates e ofensas. A negociação foi vista como um esforço inédito para cacifar tempo de televisão para os partidos.

 

Fonte O Globo 

 

 

 


Este Portal de Notícias é uma publicação da SBC do Sul com o CNPJ , e trata-se de uma empresa de direitos privados na área da Comunicação. INFORMAMOS a quem interessar possa, que, Todo e Qualquer Conteúdo e Imagens aqui publicados, exibidos neste portal de notícias e nesta página são de nossa inteira e total Responsabilidade.
A empresa franqueadora desta Plataforma ou a Cessionária da Rede não possuem nenhuma relação de Responsabilidade JURÍDICA para com as nossas matérias, artigos ou outras publicações. Caso haja alguma dúvida em detrimento a esta matéria ou outro conteúdo entre em Contato com a direção de nossa empresa através do E-mail 0 ou de nosso WhatsApp (47)997532591
COMO ENVIAR CONTEÚDOS
OUTROSSIM: Caso queira nos enviar qualquer conteúdo jornalístico, ele deve vir assinado por um jornalista ou o seu Autor e a(s) IMAGEM(ENS) deve estar com uma Autorização por Escrito por parte do Fotografo Autor da MESMA - Autorizando o USO (da publicação da mesma), pois, aqui respeitamos as Leis brasileiras e a Lei dos Direitos Autorais nacional e internacional.

SBC SHOPPING

Copyright© Todos os direitos reservados Rede SBC do Brasil - 2006 a 2918

Sites e Notícias em rede - se trata de um projeto patentiado no INPI

SBCW - Tecnologia web Agência digital