Cidadão Repórter

(47)997532591
Mafra(SC), Domingo, 29 de Novembro de 2020 - 04:47
05/11/2020 as 16:50 | Por Sinval Campelo | 470
Schelbauer consegue liminar na Justiça e suspende processo de impeachment
Juiz pede que Câmara remeta documentação de abertura de comissão procesante
Fotografo: divulgação
Schelbauer-sbcsul.05.11.2020

É ou não é..pau que NÃO Bate no Chico também NÃO Bate no Francisco ...e o vereador do PL  e candidato a prefeito  disse - Derrubamos o grande golpe dos adversários e reafirmando que as algemas irão chacoalhar, postou o candidato Edenilson Schelbauer (PL) no grupo de whatsapp  SBCSul,  logo após a decisão da Justiça Civil acatar a liminar de seu advogado  e definir pela suspensão do processo de impeachment contra ele na Câmara de Vereadores. O magistrado solicitou que o presidente da Câmara de Vereadores, Eder Gielgen (MDB) remeta ao Judiciário todas as cópias da denúncia e abertura do processo de cassação do vereador Schelbauer no prazo de 10 dias.

 

Usando uma frase repetida do vereador Schelbauer, pau que bate em Chico também bate em Francisco, a situação de suspensão do processo de impeachment foi semelhante,pra não dizer igual, ao que o mesmo juiz Rafael Salvan Fernandes deu com relação a secretária municipal, Jaqueline Veiga, que também teve processo de investigação que tramitava na Câmara suspenso em 9 de outubro, por determinação judicial. Assim como  Jaqueline, o candidato do PL se diz  vítima de acusações infundadas sobre enriquecimento ilícito apontados na denúncia feito pela secretária. No caso da denúncia formulada contra Jaqueline, o denunciante foi uma pessoa anônima que enviou pedido de investigação via portal da Câmara,pela internet ao Legislativo em 15 de setembro e logo em seguida, a mesma entrou com pedido de cassação de mandato do vereador Edenilson Schelbauer  no dia 27 de outubro, com 10 denúncias entre elas, a de ele  ter enriquecido no período que esteve ocupando o cargo de vereador desde 2013 e de falsas declarações à Justiça Eleitoral, entre outras.

 

Como a decisão no caso Jaqueline foi pela suspensão dos trabalhos da CPI na Câmara, o mesmo ocorreu com Schelbauer que obteve a liminar concedida pelo Judiciário. A Justiça Eleitoral alegou vícios no processo de abertura da Comissão Processante e pediu a suspensão.




Notícias Relacionadas





Entrar na Rede SBC Brasil