Fotografo: divulgação
...
Claudia Buss-sbcsul-7-5-20

 
De acordo com dados da Gerência de Estatística e Análise Criminal (GEAC/DINI/SSP/SC), desde o início deste ano os crimes de violência contra a mulher (Maria da Penha) apresentaram queda em Santa Catarina. Entre 1º de janeiro e 6 de abril foram registrados 11% a menos, se comparado ao mesmo período do ano passado.
 
 
Desde a vigência do decreto 515, de 17 de março, a Polícia Civil colocou nas ruas 1.166 policiais e a Polícia Militar mais 1.300, somando 2.466 policiais nas ruas preparados para atender qualquer tipo de ocorrência, não somente relacionadas às medidas restritivas contra a Covid-19. 
 
 
Mas em matéria publicada no site CAU/SC  (Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina) há contestação de dados divulgados pelo Estado. Nos primeiros 22 dias de março, 4.124 denúncias de violência doméstica foram comunicadas à Secretaria de Estado de Segurança Pública em Santa Catarina. 
 
-Isso quer dizer que todos os dias, em média, 188 pessoas podem ter sofrido algum tipo de abuso dentro do contexto do próprio lar. A grande maioria das vítimas é mulher, e os principais algozes, seus maridos, companheiros ou pais de família - publica o site.
 
A vereadora de Mafra, Claudia Buss (MDB) sempre defensora dos direitos das mulheres, disse ao SBCSul que nem todos as situações de violência são relatadas  por elas neste período de quarentena que começou dia 17 de março e só teve flexibilidade no final de abril e que, embora a Delegacia de Polícia Civil de Mafra não tenha dados significativos com relação ás agressões sofridas pela mulher no lar, a exposição diária com o agressor devido ao isolamento social não deixa muitas alternativas para essa vítima e ela tende a se calar, embora essa não seja a decisão correta a ser tomada.
 
 
-Geralmente a mulher busca a casa de um parente para abrigo, mas neste período de quarentena muitas mulheres ficaram sem essa opção e devem ter optado por não denunciar seu companheiro agressor - opiniou Claudia Buss. 
 
 
-Em situações de risco para a mulher, a Polícia fará a prisão preventiva do agressor- ,completa a vereadora , lembrando ela,  que há ações em conjunto com o Judiciário e o Ministério Público de Santa Catarina para proteger à mulher.
 
 
Como denunciar:
 
Delegacia mais próxima
Disque 181
Disque 100
www.pc.sc.gov.br (Delegacia Virtual)
WhatsApp (48) 98844-0011