Fotografo: divulgação
...
gUSMAN-SBCSUL-7-12-19

Professor de economia da Universidade de Columbia, em Nova York, Martin Guzman, 37 anos, foi indicado na noite desta sexta-feira por Alberto Fernández, presidente eleito da Argentina,para ser o ministro da economia.  A missão será tirar o país de um buraco em que está desde 2018, com início de uma crise cambial e inflação, além de dívidas com o comércio exterior o que dificulta a Argentina retomar o crescimento da economia sem uma ampla renegociação com credores internacionais, no valor de R$ 100 bilhões de dólares e mais dividas com o “faminto” Fundo Monetário Internacional (FMI).

Além de Guzman, outros ministros já tinham sido antecipados por Fernández. Felipe Solá, ex-governador da província de Buenos Aires, comandará o Ministério das Relações Exteriores. Já o Ministério da Defesa será comandado por Agustín Rossi.

 “É alguém a quem consultei muito nos últimos tempos sobre os problemas que a Argentina tem em matéria de dívida. É uma grande alegria que Martín tenha aceitado o desafio de deixar Nova York e voltar a Buenos Aires para assumir o Ministério da Economia”, afirmou Fernández, sobre o novo ministro da economia.

O presidente da direita-conservadora, atual presidente da Argentina, Mauricio Macri, deixa a presidência em 10 de dezembro. A Argentina enfrenta uma inflação anual de mais de 50%, com taxas de juros de 60% para conter a desvalorização da moeda e uma economia em contração, com vencimentos milionários de dívida previstos para 2020.

Bolsonaro e posse de Fernández

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro disse que não irá na posse do presidente da Argentina, dia 10, por questões de ideologias partidárias. Bolsonaro apoiou a reeleição de Macri. Em nota à imprensa, Fernández deu a seguinte declaração;

“Se nos respeitarmos, é mais fácil conviver. Transmitam ao presidente Jair Bolsonaro o meu respeito e o meu apreço para trabalharmos juntos — disse Fernández. — Temos um destino em comum. Temos que cuidar para que nenhuma conjuntura altere nossa relação. O Brasil é um irmão com outro idioma”.